Um avô carregando seu neto nas costas em uma paisagem de natureza, com os dizeres: Contar histórias pode trazer benéficos para a saúde

Contar histórias pode trazer benéficos para a saúde

Data de publicação: 09/07/2019 17:42:00
Categoria: Geriatria e Longevidade
Por Mark Stibich 

A tradição de contar histórias se mantém viva entre diferentes culturas principalmente por meio da memória das pessoas mais velhas, que são encorajadas a narrar suas experiências aos membros mais jovens da comunidade. Compartilhar esses conhecimentos com as novas gerações é considerado uma arte e um tesouro para a sociedade e para o bem-estar, já que pode ter efeitos positivos na saúde cognitiva.

Alguns estudos que se debruçaram sobre a ato contar histórias avaliaram os aspectos psicológicos e terapêuticos de se contar narrativas convincentes, outros indicaram que essa habilidade pode ter dado vantagem de sobrevivência aos nossos ancestrais na cadeia evolutiva.

Os efeitos de contar histórias para o cérebro
Talvez a melhor vantagem de contar histórias seja a possibilidade de influenciar positivamente no tratamento de doenças cognitivas, como a demência, contribuindo para a longevidade. Outros problemas da saúde mental, como a depressão, também podem ser afastados pelas narrativas.

O processo de contação de histórias na terapia de reminiscência, em grupo ou individualmente, pode contribuir para a melhora na qualidade de vida, nas relações interpessoais e no humor de pacientes com demência ou Alzheimer. Para isso, os pacientes são incentivados a explorar a narrativa pessoal e autobiográfica.

Como usar as narrativas a favor do cérebro?
Muitas pesquisas ainda são necessárias para compreender como a terapia de reminiscência pode contribuir para a saúde mental dos idosos. Porém, estudos sugerem que a memória, o humor e até os relacionamentos interpessoais podem ser beneficiados por contar histórias.

O exercício criativo diário de tecer narrativas é uma forma de deixar o cérebro ativo e compartilhar histórias de vida com as pessoas ao redor. A energia e o entusiasmo envolvidos podem ser peça chave na saúde mental.

Dicas para melhorar a experiência com a terapia de reminiscência
Sorrir torna ainda mais encantadora a narrativa, já que o sorriso influencia no tom de voz e até mesmo na escolha das palavras – divertir-se é importante.

A prática leva à perfeição, então escolher uma nova história todas as manhãs é uma forma de exercitar as habilidades e manter o ouvinte atento às novas narrativas. Outro ponto importante é concluir as histórias, sem torná-las longas e exaustivas.

Não deixar escapar detalhes é uma maneira de manter a memória em dia ao pensar em eventos passados. O que os personagens da história usavam? Como se comportavam? Como eram os cheiros e sabores? A descrição precisa tornar o exercício mais instigante, sobretudo na construção dos personagens.

Além dos fatos, é importante deixar fluir emoções nas narrativas. A forma como os eventos provocam sentimentos deixa o assunto mais empolgante. Dá para deixar de lado aquilo que não é importante, e saber dar importância àquilo que se conta, já que qualquer história é interessante quando é bem contada.

Fonte:
Very Well Mind

Tradutora e Redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Geral: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: