Um médico aferindo a glicose de um paciente, com alguns frascos de remédio sobre sua mesa, com os dizeres: Medicamentos para diabetes ajudam na prevenção contra o Alzheimer

Medicamentos para diabetes ajudam na prevenção contra o Alzheimer

Data de publicação: 02/07/2019 15:21:00
Categoria: Geriatria e Longevidade

Um estudo dos psicólogos da USC Dornsife, publicado na revista Diabetes Care, indica que pacientes com diabetes não tratada podem desenvolver sintomas da doença de Alzheimer 1,6 vezes mais rápido que aqueles que não têm a doença. E ainda, aqueles que são tratados com medicação para diabetes tipo 2 retardar a doença cognitiva.

"Nossas descobertas enfatizam a importância de se diagnosticar diabetes ou outras doenças metabólicas em adultos o mais cedo possível", diz Daniel A. Nation, psicólogo do Colégio de Letras, Artes e Ciências da USC Dornsife.

O pesquisador também destaca que, entre as pessoas com diabetes, não tratar a condição com os medicamentos corretos pode estar diretamente relacionado aos sinais de demência e Alzheimer. De acordo com ele, esse pode ser o primeiro estudo que compara o desenvolvimento das doenças mentais à diabetes e ao seu tratamento.

Quais as características dos participantes do estudo?
Dentro da amostra de 900 participantes, 54 tinham diabetes tipo 2, porém não faziam tratamento. Outros 67 tinham a doença, porém sob controle. Entre as pessoas não diabéticas que participaram do estudo, 530 tinham níveis normais de açúcar e 250 tinham pré-diabetes (hiperglicemia).

Como o estudo foi realizado?
Os cientistas compararam a "tau patologia" – a progressão das lesões chamadas de emaranhados neurofibrilares, que são a marca da doença de Alzheimer. Quando esses emaranhados se combinam com placas beta-amilóides – uma proteína tóxica – eles interrompem os sinais entre as células cerebrais, prejudicando a memória e outras funções.

Dados de mais de 1200 pessoas com 55 anos, recolhidos pela Alzheimer's Disease Neuroimaging Initiative, foram analisados pelos pesquisadores. O material incluiu biomarcadores para diabetes e doenças vasculares, exames cerebrais e uma série de indicadores de saúde, incluindo o desempenho em testes de memória.

Os pesquisadores compararam, entre as diferentes categorias de pacientes diabéticos, os resultados dos testes cerebrais e do líquido espinhal que pode indicar sinais de placas amilóides e os emaranhados neurofibrilares.

"É possível que os medicamentos para o tratamento de diabetes possam fazer diferença na progressão da degeneração cerebral", diz Nation. "Mas não está claro como exatamente esses medicamentos podem retardar ou prevenir o aparecimento da doença de Alzheimer, então isso é algo que precisamos investigar".
O entendimento dos especialistas é que a doença de Alzheimer pode ser o resultado de uma cascata de problemas de saúde, com mais de um gatilho. Os fatores de risco variam desde a exposição à poluição e genética (o gene ApoE4, por exemplo) até doenças cardíacas e doenças metabólicas.

Fontes:
Diabetes News
EurekAlert!
Pesquisa - FAPESP
Tradutora e redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Geral: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: