Uma mulher de meia idade levando às mãos a cabeça, com os dizeres: Menopausa e climatério: qual a diferença e os efeitos para a saúde?

Menopausa e climatério: qual a diferença e os efeitos para a saúde?

Data de publicação: 14/06/2019 14:43:00
Categoria: Saúde da Mulher
Mais conhecida por seus sintomas prévios, entre eles as fortes ondas de calor, a menopausa é o momento que marca o fim do período reprodutivo da mulher – a última menstruação. Antes dela vem o climatério, a transição entre o período fértil e o não reprodutivo, que pode ser acompanhado de sintomas desconfortáveis.
A causa da menopausa é o fim da reserva de folículos, que são células presentes nos ovários, por meio das quais o corpo produz óvulos. Com a morte dos últimos folículos, os ovários entram em falência e acontece a queda de produção dos hormônios femininos: o estrogênio e a progesterona.

Quais são os sintomas da menopausa?
Os sintomas da menopausa variam de mulher para mulher, porém os mais comuns são os episódios de ondas de calor, que podem ser acompanhados de suor intenso, rubor facial, palpitação cardíaca e até mesmo fadiga muscular.

Irregularidade do ciclo menstrual, infecção urinária, ressecamento vaginal, perda de libido e dor durante a penetração também são sinais comuns do climatério e da menopausa. Pele, cabelo e unhas também sofrem com as mudanças hormonais, a gordura corporal começa a se acumular nas mamas e na região abdominal, e os ossos tendem a perder massa.

O sistema psicológico da mulher também é afetado pela diminuição de estrogênio e progesterona, o que causa irritabilidade, variações emocionais, choro descontrolado, e pode levar à depressão, a distúrbios de ansiedade, à melancolia, à perda de memória e à insônia.

Climatério, menopausa e sexualidade
O fim da menstruação é acompanhado por tabus quanto à sexualidade feminina. Porém, a menopausa e o climatério não significam o fim da vida amorosa e sexual. A relação das mulheres com o desejo sexual nessa fase é individual, e depende não apenas da flutuação de hormônios, mas do estado psicológico.

A liberdade de manter relações sexuais, sem a possibilidade de gravidez indesejada, faz com que seja necessária a reorientação quando ao sexo seguro, praticado com preservativo. Porém, não há outras recomendações contrárias à prática sexual.

Que riscos a menopausa traz para a saúde?
Com a diminuição da produção de hormônios pelos ovários surgem alguns riscos para a saúde. A queda de estrógeno, por exemplo, aumenta os riscos de doenças cardiovasculares e de osteoporose, além de poder causar desequilíbrio do colesterol, já que o hormônio contribui para os níveis do bom colesterol, o HDL.

Já a redução de progesterona interfere na libido, causa a perda do tônus muscular, e a sua carência faz com que o corpo esteja menos protegido contra doenças como o câncer de mama e a depressão.

Quais são os tratamentos para minimizar os efeitos da menopausa?
A principal forma de tratamento para a menopausa é a reposição hormonal, recomendada a partir dos 60 anos ou dez anos após o fim da menstruação. Porém, esse tipo de tratamento pode estar relacionado ao aumento de chances de desenvolvimento de câncer de mama (1,25%), assim como complicações para outras doenças, de acordo com o Ministério da Saúde.

Mulheres diabéticas com mais predisposição para infarto, obesas, fumantes, com porfiria ou que já tiveram câncer provavelmente terão contraindicações ao tratamento. Outras opções para tratar os sintomas da menopausa e do climatério são medicamentos fitoterápicos, além da prática de exercícios físicos, uma dieta balanceada e a exposição adequada ao sol – até às 10h ou após às 16h.

Fontes
Biblioteca Virtual em Saúde - 1
Biblioteca Virtual em Saúde - 2
Dr. Dráuzio Varella
Governo do Brasil

Tradutora e redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Geral: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: