Um médico, segurando uma prancheta ao ouvir o relato em consulta de uma paciente, com os dizeres: As 10 principais mentiras que contamos aos nossos médicos

As 10 principais mentiras que contamos aos nossos médicos

Data de publicação: 11/04/2019 15:14:00
Categoria: Geriatria e Longevidade

Por Wyatt Myers

Um a cada quatro pacientes admite mentir para seu médico, de acordo com uma pesquisa conduzida nos Estados Unidos, em 2009. Mentir e omitir informações nas consultas de rotina são práticas comuns, principalmente quando os pacientes desejam evitar broncas. Porém, para que mentir se isso pode prejudicar a saúde?

As mentiras contadas aos médicos podem tornar mais difícil o diagnóstico de doenças e ter efeitos danosos para a saúde a longo prazo. Confira as dez mentiras mais comuns contadas em consultórios médicos e como elas podem afetar a saúde.

Parei de fumar meses atrás!
Fumar é um problema para a saúde. O tabagismo é um fator de risco para doenças cardíacas, derrame, doenças pulmonares e outros problemas de saúde. Mentir para o médico sobre ter parado de fumar impede que ele recomende um programa de cessação de tabagismo efetivo e, além disso, a falta de informação pode afetar os tipos de tratamento prescritos por ele.

Em casos de bronquite, por exemplo, os fumantes têm menos mecanismos de defesa para lidar com infecções e por isso os médicos podem prescrever tratamentos mais intensos.

Eu bebo raramente!
Uma dose diária de bebida alcóolica para mulheres e duas para os homens costumam ser consideradas normais pelos médicos, porém, muitas pessoas ainda mentem para os médicos a respeito do consumo de álcool.

Esconder o consumo de álcool, sobretudo a frequência e a quantidade, pode tornar a saúde mais frágil a longo prazo, aumentando o peso e causando problemas no fígado, por exemplo. Por isso, mentir para o médico sobre beber pode privar os pacientes de um aconselhamento valioso para a longevidade geral.

Eu sou super fitness!
Os exercícios físicos são realmente necessários à saúde e esconder o sedentarismo dos médicos não faz com que os problemas desapareçam. As atividades físicas são importantes para manter o corpo saudável, reduzir chances de doenças crônicas como a diabetes e a hipertensão, e aumentar a qualidade de vida na terceira idade.

Se a razão para evitar exercícios físicos são dores e condições que impedem a atividade física, o médico é um dos profissionais mais indicados para recomendar as melhores alternativas.

Só tomo os medicamentos prescritos pelo médico!
Dos analgésicos prescritos às drogas ilícitas, o médico precisa saber quais são as substâncias sendo absorvidas pelo organismo. Além dos riscos da automedicação, é possível que o tratamento proposto pelo médico não funcione caso seja combinado com outros remédios e substâncias que impedem sua ação no organismo.

É imprescindível que o médico tenha essas informações para aconselhar o paciente e evitar interações medicamentosas perigosas.

Tomo todas medicações corretamente!
Outra forma comum de mentir sobre medicação é omitir que não seguiu o tratamento prescrito pelo médico corretamente. É importante dizer ao médico caso o tratamento tenha sido interrompido, informar sobre efeitos colaterais, se o remédio é caro demais ou se existem dúvidas sobre a medicação.

Uma relação transparente entre médico e paciente é essencial para o sucesso de tratamentos e para a saúde em geral.

Tenho uma alimentação saudável!
A carência de nutrientes e uma dieta não balanceada pode trazer problemas graves à saúde. É importante que pacientes com doenças como a diabetes e hipertensão, por exemplo, contem aos seus médicos sobre mudanças na alimentação, principalmente para evitar riscos de complicações.

Nunca tive problemas sexuais
Apesar de ser desconfortável falar sobre a vida sexual com um médico, esconder sintomas de infecções sexualmente transmissíveis ou mentir sobre manter relações sexuais seguras pode trazer consequências sérias a longo prazo. A maioria dessas infecções é tratável, mas podem prejudicar a saúde caso não sejam tratadas corretamente.

Outros problemas como baixa libido, ressecamento vaginal e dificuldades em manter uma ereção também são comuns e o médico pode ajudar a resolvê-los.

Ai, me sinto horrível!
Exagerar ou minimizar os sintomas são mentiras comuns e desnecessárias no consultório médico. Essas “mentirinhas” podem resultar em testes desnecessários, prejudicar o diagnóstico e levar a tratamentos ineficazes.

Não tenho certeza quando meus sintomas começaram
A duração dos sintomas é um fator importante para o diagnóstico e para o tratamento. Por isso, é valioso relatar ao médico há quanto tempo o problema tem se apresentado e como ele tem evoluído. Antes de ir ao médico, é útil tentar recordar essas informações e anotá-las, para facilitar o atendimento.

Não tenho histórico familiar dessa doença
Ocultar a história familiar de uma doença é outra maneira de sabotar a saúde. Embora não seja possível mudar as condições hereditárias, essa informação é crucial para que os médicos possam prestar mais atenção ao aparecimento de sintomas dessas doenças e detectar o problema antes que ele se torne grave.
Um bom relacionamento com o profissional da saúde depende da honestidade. Esconder do médico as reais condições de saúde pode trazer problemas graves para o paciente e privá-lo da real capacidade do profissional de contribuir para a promoção da qualidade de vida.

Fonte:
Everyday Health

Tradutora e Redatora: Daniela Souza 
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Geral: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: